terça-feira, 30 de outubro de 2007

Poesia-Orgasmo

De sílabas de letras de fonemas
se faz a escrita. Não se faz um verso.
Tem de correr no corpo dos poemas
o sangue das artérias do universo.

Cada palavra há-de ser um grito.
Um murmúrio um gemido uma erecção
que transporte do humano ao infinito
a dor o fogo a flor a vibração.

A poesia é de mel ou de cicuta?
Quando um poeta se interroga e escuta
ouve ternura luta espanto ou espasmo?

Ouve como quiser seja o que for
fazer poemas é escrever amor
a poesia o que tem de ser é orgasmo.

José Carlos Ary dos Santos
Fotografia: Ana Cruz

4 comentários:

RR disse...

La petite mort. *
:)

Anónimo disse...

Hi, as you may already noticed I'm fresh here.
In first steps it's very good if someone supports you, so hope to meet friendly and helpful people here. Let me know if I can help you.
Thanks and good luck everyone! ;)

André Pereira disse...

Está à vontade, pá. Puxa uma cadeira e bebe um copo.

Anónimo disse...

Hello dude!

It is my first time here. I just wanted to say hi!