quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

2009

Neste dia, apenas vos posso desejar aquilo que desejo ao Bynia...

... boas entradas!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

sábado, 27 de dezembro de 2008

2008, os melhores (acho eu)

O Natal chegou ao fim. Pelo menos por este ano. Durante os próximos onze meses, podemos adormecer descansados sem pensar na possibilidade de encontrar a Popota debaixo dos lençóis. Porém, nem tudo são rosas. Infelizmente, aqueles quinze minutos em que estamos sentados à lareira, com os lábios cheios de açúcar a pegar no cheque FNAC desaparecerão durante… 364 dias! Nãaaaaaooooooo!!!

Mas é assim a vida. Não podemos esperar sentadinhos no sofá que nos caiam nas mãos formas gratuitas (e legais!) de obter o que quisermos da empresa homónima daquela que já patrocinou o Benfica. Mas deixemo-nos de falar de alegrias repentinas. Falemos, isso sim, de música!

Hoje, e visto que este é o meu último artigo de 2008, decidi fazer uma análise mais geral sobre alguns álbuns que saíram este ano. Na impossibilidade de me referir a todos, irei mencionar apenas dois álbuns portugueses e dois estrangeiros.

No que respeita ao panorama nacional, é indiscutível a entrada a pés juntos dos Deolinda com o álbum “Canção ao Lado”. Foram a revelação mais bombástica de 2008, acima de qualquer atentado na Faixa de Gaza, ou de qualquer paulada do Bynia. A lufada de ar fresco que vieram trazer aos nossos ouvidos assenta numa revitalização pós-modernista que a música portuguesa atravessa. O regresso ao passado é trazido por estes músicos com os pés bem assentes no futuro. E tudo isto apenas com duas guitarras, um contrabaixo e uma voz (sublime, diga-se de passagem).

Manel Cruz, com o seu “O Amor dá-me Tesão / Não Fui eu que o Estraguei” transporta-nos para um universo de cassete em que carregávamos no REC e no PAUSE ao mesmo tempo, esperando ansiosamente pela música que queríamos gravar. Ah, e fazíamos figas para que a música não fosse cortada no final por um inadequado compromisso comercial. Manel Cruz recorda-nos esses tempos, essas gravações, os cheiros da aparelhagem, os autocolantes pequeninos que nunca colavam na cassete, o som irritante a rebobinar… E fá-lo de uma forma genial. Não fosse ele um dos grandes músicos portugueses da actualidade.

Lá fora, não posso deixar de referir o regresso tão aguardado dos Metallica. É certo que o tempo não volta atrás, mas se voltasse, gostaria de cá ficar. A banda californiana regressou este ano com “Death Magnetic”, e misturou recordações antigas com saudades futuras. Força, garra, rapidez e virtuosismo, adjectivos que bem poderiam ser sinónimos de Metallica.

Para terminar, gostaria de referir a reedição do concerto dado no Carnegie Hall pelos músicos que ficaram para a história como Buena Vista Social Club. Um regresso que não cansa, mas antes descansa. Com os pés na água quente, um copo com um guarda-chuva espetado numa azeitona e um cachimbo na ponta dos lábios.

Apesar de já ter escrito sobre três dos quatro álbuns que refiro neste artigo, julgo que nunca é demais fazê-lo, até porque pertencem ao meu top de 2008. Em 2009, outros álbuns surgirão, novos sons, novas maneiras de ouvir esses sons, mas, acima de tudo, mais originalidade. Porque, se se quer ser o melhor, não vale a pena ser excelente quando se é igual.


Imagem: DR
Casting Stars

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Pois é pois é...

Então Feliz Natal...

E obrigado pelas prendas, meninas!

DOR CRÓNICA

Coca-Cola ou Água Benta

O Natal chegou e, para além do nascimento do Nicolau, é comemorada a fuga de Macaulay Culkin das garras dos dois ladrões. As músicas do George Michael ecoam nos centros comerciais e um hospital é escolhido para receber a Mila Ferreira e o Toy.

Mas para mim, o Natal é como um jogo, mais precisamente um jogo entre o Benfica e o Sporting. São muitos os preparativos, apoiantes, críticos, cânticos, fazem-se promessas… e no final do jogo volta tudo ao ponto inicial. Tal como no Natal. Amorzinho, beijinhos e caridadezinha durante quinze dias e depois passa tudo da validade. As campanhas acabam, os centros comerciais mandam os peluches de volta para o armário, e faz-se um delete de tudo o que é “crianças que precisam de ajuda”.

Mas eu até concordo porque, segundo notícias fidedignas, creio que só há crianças necessitadas nesta altura do ano. Nos outros meses, ninguém precisa de ligar o número-grátis-de-valor-acrescentado-se-faz-favor-a-sua-chamada-é-importante para ajudar pessoas que precisem. Porquê? Porque não há!

Voltando ao jogo, de um lado, o Pai Natal, do outro, o Menino Jesus. O Pai Natal é do Benfica, o Menino Jesus é do Sporting. Mas esta é uma observação óbvia até porque, se o Menino Jesus fosse do Benfica seria “Puto Jesus” ou “Catraio Jesus”. Depois, se há equipa que tem meninos no plantel é o Sporting… Já o Pai Natal, para além de se vestir de vermelho e andar desaparecido durante o ano, ainda dá prendas, tal como o Benfica dá aos seus adversários.


No fundo são duas figuras imaginárias que nos trazem doces para a mesa. Apesar de tudo, continuo a acreditar naquele que me dá mais certezas de existir. E como estamos em festa, um brinde ao Natal! Coca-Cola ou água benta, tanto faz…

Quinze
Imagem: DR

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Teve de ser...

Esta semana realizou-se a segunda Cimeira no Rio. A primeira teve lugar em Castelo de Paiva.

And so this is Christmas...

... and what have you done?

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

sábado, 20 de dezembro de 2008

Carlos do Carmo - Fado Maestro

Fazer uma crítica musical já é algo de extremamente difícil. Não só impõe que exista uma análise cuidada do tema em causa, como também uma escolha criteriosa e extremamente cuidada das palavras a utilizar. Mais difícil se torna quando se fala de génios, de almas que ganharam voz e de poemas que foram semeados e cresceram nessa mesma voz que nos embala. Falo, simplesmente, de Carlos do Carmo.

As apresentações são dispensáveis. Apaguem as luzes, recolham o tapete, vendam os tambores… É preferível evitar o Grandioso com risco de ser pequeno demais para este senhor.

Para comemorar os seus 45 anos de carreira, Carlos do Carmo decidiu brindar-nos com um Best Of. Este “Fado Maestro” está dividido em três versões. Na primeira, são recordados fados como “Lisboa Menina e Moça”, “Os Putos”, “Um Homem na Cidade” ou “Canoas do Tejo”. Já a segunda versão é uma homenagem de Carlos do Carmo aos poetas que cantou. “O Cacilheiro”, “Fado Varina” e “Homem das Castanhas” são alguns dos exemplos. Esta edição especial engloba, para além do CD, o DVD Documentário “O Fado de Uma Vida”, realizado por Rui Pinto de Almeida. Neste DVD estão incluídos ainda 10 temas ao vivo, quatro gravados em Frankfurt e os restantes gravados em Lisboa. A terceira versão conta com o CD standard e com o DVD Documentário.

Carlos do Carmo é um homem que canta gerações, que declama saudades e vidas nuas de um sítio real, de uma rua com roupa à varanda, de um largo com duas balizas feitas de pedra. A sua voz é o seu castelo, o seu novelo onde descansa o olhar numa estrela da tarde.

Sobre Carlos do Carmo, João Lobo Antunes escreveu: “A comparação é talvez fútil, mas eu atrevo-me a dizer que Marceneiro cantou os fados de Lisboa, e Carlos do Carmo canta Lisboa em fado. E por isso, quando longe desta cidade eu o ouvia, ele trazia-me sempre naquilo que cantava, a cor, o ruído, o cheiro, a gente, o paradoxo de uma saudade que doía e, ao mesmo tempo, consolava.”


sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Simone no meu poema

Hoje tive o extremo prazer de conhecer pessoalmente Simone de Oliveira! A voz, a luta, a raiva, a certeza, a dúvida, o carinho, as lágrimas... Obrigado! Obrigado! Obrigado!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Piada muito mas muito subliminar

Ninguém me tira da cabeça que o jornalista iraquiano queria "ouvir" Rita Red Shoes.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Eva

Quando procurei afastá-la, verteu água pelos buracos com que olha, enxugou-a com as costas das garras e fez um barulho como o dos outros animais quando estão em dificuldade.

Mark Twain
Excertos do Diário de Adão
Imagem: Diana

domingo, 14 de dezembro de 2008

Um Natal Comercial

Uma musiquinha de Natal feita pela malta da Comercial.

sábado, 13 de dezembro de 2008

Mais um artigo (vá, um remix), mas desta vez para o CS

Há um culto à volta destes senhores, e eu tenho muito gosto em dizer que faço parte dele. Não envolve sacrifícios de animais, leitura de cartas nem uniões de sangue. Os Metallica criaram o seu espaço muito cedo, na década de 80, com álbuns tão geniais como "Kill 'em All", "Ride the Lightning" ou "Master of Puppets". Em 2008, surge "Death Magnetic", o primeiro com Rick Rubin aos comandos da produção. O título do álbum é uma homenagem "a todas as estrelas de rock que já morreram", como explica James Hetfield.

Artigo completo aqui.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

..

Cautela!
Que ninguém ouça o que te digo
Dou-te um coração de loiça
Porque o meu anda contigo.


José Saramago

DOR CRÓNICA

LOL*

Hoje começo o texto a rir. Não porque tenha visto um jogo da Selecção ou porque tenha ouvido uma anedota do Donaltim. Aliás, o único ponto comum destes dois exemplos é o de provocarem exactamente a reacção contrária ao riso. E eu não quero isso, pelo menos hoje, que decidi escrever sobre essa tão bonita e esplendorosa palavra lusitana que é o LOL.

Só a sua sonoridade nos leva a fazer aquele som ridículo com a boca tapando-a logo de seguida, enquanto espreitamos pelo canto do olho o alvo do nosso gozo. A própria palavra LOL é difícil de dizer, faz-nos enrolar a língua e expulsar qualquer coisa que tenhamos presa ao céu-da-boca. Mas também para nós portugueses sempre foi difícil transmitir qualquer riso.

Somos umas pessoas tristes. Gostamos de saber que estamos na cauda da Europa, olhamos o chão como se o estivéssemos a decorar para um exame, maldizemos tudo e mais alguma coisa e nunca tiramos a mão do queixo. A não ser quando recebemos uma mensagem! Não somos capazes de sair do sofá para ir dar uma corrida, mas fartamo-nos de fazer exercício todos os dias com os nossos dedos. Todos os dias, todas as horas, todos os minutos! Não digo segundos porque é uma palavra a que não estamos muito habituados. A não ser que só haja duas equipas ou dois países ou duas economias.

Com três letrinhas apenas se escreve a palavra LOL. Também se escreve a palavra MÃE, é verdade, mas eu tenho para mim que quando deus inventou esta bonita frase (sim, eu acredito em frases), escolheu a palavra LOL em vez de MÃE, até porque nunca teve nenhuma.

Virando-me agora para a realidade, acho que, mais tarde ou mais cedo, vamos deixar de falar, de rir, de chorar ou até de cantar para o fazermos só com as pontas dos dedos. Se bem que não seria mau de todo. Há duetos de Natal que preferia conhecer apenas por mensagem.

De qualquer das formas, tenho que admitir que LOL é a única palavra de três letras que me faz rir. Ah, e PSD...


* abreviatura da expressão Laughing Out Loud que, na língua de Shakespeare (o Camões inglês com dois olhos), significa “rindo a bandeiras despregadas”


Quinze

domingo, 7 de dezembro de 2008

Americana tinha verme a viver na cabeça

Uma americana foi operada a um tumor na cabeça, mas durante a intervenção cirúrgica os médicos constataram que o que estava junto ao seu cérebro era um verme bem alimentado e não o início de um cancro.

in Sol
Afinal não é a Manuela Ferreira Leite.

sábado, 6 de dezembro de 2008

Buena Vista Social Club at Carnegie Hall

Em 1996, o músico Ry Cooder fez uma das viagens mais úteis da humanidade. Foi a Cuba e, juntamente com Wim Wenders, deu a conhecer ao mundo a alma deste povo, através do documentário "Buena Vista Social Club". Em 1998, os artistas cubanos deslocaram-se ao Carnegie Hall, em Nova Iorque e proporcionaram ao público presente uma das melhores noites de música da história. Dez anos mais tarde, eis que surge a melhor prenda de Natal, de Aniversário, de Casamento ou até mesmo de Divórcio. Porque, apesar de tudo, ninguém fica indiferente ao que sai das colunas da aparelhagem. Ibrahim Ferrer, Compay Segundo, Omara Portuondo e Ruben Gonzalez são apenas alguns dos nomes que podem flutuar pelos recantos do nosso quarto ou pelos vidros embaciados do carro.

Ouvir este cd é pôr a chave na ignição, ajeitar o chapéu de palha, ouvir o ronronar do motor e andar a 30 km/h com a brisa do mar a soprar-nos na cara. Paramos o carro, entramos no café, pedimos uma Cuba Libre (baixinho que não queremos chatices...), e jogamos mais uma partida de xadrez.

A identidade de um povo é reflectida como um espelho pelos artistas que preencheram o palco nesta magnífica noite de 1 de Julho de 1998. Desde o “Chan Chan”, onde abanamos as ancas como autênticos dançarinos (pelo menos mentalmente), passando pelo “Dos Gardenias”, onde fechamos os olhos e imaginamos a nossa cara-metade toda derretidinha a ouvir-nos cantar, este disco duplo transporta-nos para um outro mundo de notas quentes. Todas as outras catorze músicas “apenas” nos tiram os pés do chão e nos fazem comichões na barriga.

"Buena Vista Social Club" recebeu o Grammy de melhor álbum de World Music e é o disco mais vendido da categoria na história. E é por isto e por tudo o mais que não disse que este é um álbum que devemos, não comprar, mas trocar por uns míseros euros na loja mais próxima, não trazê-lo para casa dentro de um saco plástico, mas acompanhá-lo pela mão, não ouvir, mas escutar.

Dos gardenias para ti con ellas quiero decir te quiero, te adoro, mi vida. Ponles toda tu atencion porque son tu corazon y el mio. Dos gardenias para ti que tendran todo el calor de un beso. De esos besos que te di y que jamas encontraras en el calor de otro querer.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Sabes que começou no A

O Prof. Marcelo Rebelo de Sousa respondeu da seguinte forma à possibilidade de se candidatar a presidente do PSD:

"Enne Á Ó Til"

Ou seja, NAO~, ou então NAÕ. O que é um bocadinho estranho, ainda para mais sendo ele professor... Se fosse avaliador, isto era já uma nega em cima, que é para aprender a soletrar bem as palavras.

Já que estamos numa de forrobodó com as palavras, cá vai um bonito trocadilho (possível slogan do partido laranja):

PS- Dê, vai ver que não dói nada.

Se soubesse tinha lavado os dentes ou o...

Um dos melhores sketches desta nova temporada...

... lembrou-me este

sábado, 29 de novembro de 2008

Deolinda - Canção ao Lado

"O seu nome é Deolinda e tem idade suficiente para saber que a vida não é tão fácil como parece, solteira de amores, casada com desamores, natural de Lisboa, habita um rés-do-chão algures nos subúrbios da capital. Compõe as suas canções a olhar por entre as cortinas da janela, inspirada pelos discos de grafonola da avó e pela vida bizarra dos vizinhos. Vive com dois gatos e um peixinho vermelho..."

Deolinda é talvez a banda portuguesa actual que mais raízes vai buscar à nossa música de referência, o fado. A junção perfeita entre as cordas da guitarra e do contrabaixo, aliadas à límpida e assertiva voz de Ana Bacalhau, fazem deste grupo um dos mais promissores do panorama musical português – e por que não dizer que já são uma certeza? Sonoridades como as transmitidas pelos Deolinda são peças de arte que temos de guardar muito bem, limpar com um paninho todos os dias e levar à inspecção nas datas marcadas. Felizmente, e pela maturidade que apresentam, não será necessário todo este cuidado (pelo menos da nossa parte).

Ouvir Deolinda é fechar os olhos, sentar-se num banco de madeira, colocar o braço sobre a mesa, sentir o copo de vinho moldar-se aos dedos e cheirar umas iscas acabadinhas de fazer. Tudo isto numa tasca antiga, com guitarras penduradas na parede e fotografias de pessoas famosas como forma de auto-elogio do senhor de avental.

Ao longo do disco “Canção ao Lado”, de 2008, os Deolinda apresentam várias músicas que nos provocam o excelente movimento pavloviano de carregar no repeat da aparelhagem. Desde o “Fado Toninho” (primeiro single), passando pelo “Movimento Perpétuo Associativo” (música proposta a hino nacional no
site
- “Agora não que falta um impresso” – Haverá frase mais portuguesa do que esta?), terminando com o “Clandestino” que é tudo menos a definição deste álbum… todas as músicas, sem qualquer excepção, marcam de forma irrepreensível a qualidade deste grupo.

Os Deolinda cantam um fado que ri, um fado que dança, um fado que usa roupas garridas e as mostra sem qualquer pudor aos velhos da taberna. Com os cotovelos apoiados no parapeito, os Deolinda cantam à janela de uma casa portuguesa, afinam as vozes enquanto limpam o pó do rádio antigo que está junto ao sofá, choram à noite ajoelhados sobre a cama, acordam de manhã cedo para limpar as escadas a assobiar. O melro por vezes muda de gaiola, nem sempre vai lá ter, arma confusão, mas não deixa de tocar ferrinhos e de alegrar a gente que passa na rua.

A voz de Ana Bacalhau é simultaneamente forte e suave, agressiva e calminha. Tanto nos faz encostar à parede como nos dá uma cama para adormecermos (e ainda nos tapa com o cobertor). Pedro e Luís Martins navegam pela madeira dos trastes da guitarra, simulam acordes, inventam notas já criadas. O contrabaixo de Zé Leitão estende a passadeira aos devaneios musicais de qualquer um que queira sonhar.

E assim se constrói uma banda, um conjunto, um grupo, ou lá o que lhe quiserem chamar. Para mim, são geniais, para eles, apenas Deolinda.

Casting Stars
(onde escrevo semanalmente sobre música)

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Sem portagem, claro

O Benfica e o Sporting correm o sério risco de deixar de ser os "clubes da 2ª Circular" para passarem a ser os "clubes da A5".

PS- O que é que a imagem tem a ver com isto? Nada!

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

CAPUM!

A cidade onde há mais monhés por metro quadrado foi ontem bombardeada.



PS- E Bombaim também sofreu algumas explosões.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

DOR CRÓNICA

Crise

Como primeiro artigo de opinião no jornal "Quinze", nada melhor do que falar de algo que temos sempre na ponta da língua. E não me refiro a aftas. E muito menos a... isso. Falo de crise.

Financeira, económica, política, social. Vivemos assim. Basta escrevinhar qualquer coisa que essa mesma coisa entra logo em crise. É um facto, e não é de hoje. Pelo menos por cá. Perguntem aos vossos avós. "A coisa nunca esteve tão má como agora". O problema é que o "agora" a que se referem é um "agora" que sempre existiu, é um "sempre". São os políticos que não trabalham, o Benfica que não joga nada, a Júlia Pinheiro que fala muito alto, os salários que não sobem, o Mário Nogueira que não corta o bigode. Enfim... coisas que atormentam a vida de qualquer um.

Portugal é um país conhecido não pelos Descobrimentos ou pela Literatura. Já nem os galos de Barcelos dão imagem ao nosso país. Nem o de Ronaldo. O nosso logótipo (qual esfera armilar) deveria ser um saco roto, ou um euro de pés descalços, vá... E digo "logótipo" porque nós funcionamos como uma empresa. Não como uma empresa reputada, mas sim como um BPN, por exemplo. Creditamos as nossas esperanças, compramos acções e nicles. E esse é o nosso principal problema, compramos aquilo que deveríamos fazer, creditamos o que não nos deveria ser urgente. Dá muito trabalho pensar e agir por ímpeto próprio, é muito mais fácil comprar, juntar na carteira todos os talõezinhos e comer um pão-de-leite misto aquecido só um bocadinho, se faz favor. Ah, e um copo de leite morno.

Não há pachorra! Nem dinheiro. Mas a culpa é nossa. Vivemos à sombra de golpes de espada, de taças que levantámos nos anos 60, de textos que pensámos e não sentimos (ou sentimos e não pensámos?) e, acima de tudo, vivemos à sombra do futuro que vamos com toda a certeza conquistar! (A sério, desta é de vez. Deixem-me só arrumar o que o anterior inquilino desarrumou e depois entramos em crescimento).

E assim encaramos mais um ciclo. Porque a vida é feita em espiral. Sempre que damos um passo atrás é para tomar balanço para saltarmos. Pena é que erremos sempre na direcção. Mesmo que seja assistida.


Quinze
Imagem: DR

sábado, 22 de novembro de 2008

Muito

Porque não acontece assim tão poucas vezes...

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Three blind mice

Three blind mice, three blind mice
See how they run, see how they run

They all ran after the farmer's wife
She cut off their tails with a carving knife

Did you ever see such a sight in your life
As three blind mice?

domingo, 16 de novembro de 2008

Frio

Hoje não há armas, não há rosas e não chove. Só Novembro se repete... e tu.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Não foi ensaio

As iniciais significam Rádio Clube Português, creio que não deverá haver um português que o ignore. Hoje, dia 13 de Novembro, que é quando escrevo estas breves linhas, resolveu o R. C. P. dedicar parte da sua emissão à estreia de Blindness, o filme dirigido pelo realizador brasileiro Fernando Meirelles a partir do meu Ensaio sobre a Cegueira. Pilar, que só produz ideias boas, achou que deveríamos fazer uma visita de cortesia à estação e aos apresentadores da «Janela Aberta», que assim se chama o programa em causa. Lá fomos a coberto do mais absoluto sigilo e certos de ir causar uma surpresa que não seria desagradável. O que não imaginávamos era que a nossa surpresa poderia ser ainda melhor. Os dois apresentadores estavam cegos, tinham os olhos vendados por um pano preto… Há momentos que logram ser, ao mesmo tempo, emocionantes e prazeirosos. Foi o caso deste. Deixo aqui a expressão da minha gratidão e do meu profundo reconhecimento pela prova de amizade que nos deram.

Texto: José Saramago
Foto: Pedro Múrias

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Não querendo ser, sendo... Mas não sou!

O futebolista costa-marfinense do Chelsea Didier Drogba vai ser investigado pela Federação Inglesa de Futebol (FA) e pela polícia britânica por ter atirado uma moeda para os adeptos do Burnley, durante o jogo da Taça da Liga Inglesa.

Esta é uma prova de que a crise financeira já atingiu terras de Sua Majestade. Mas não só! A eleição de Obama teve tanto impacto que agora são os africanos a dar "uma moedinha" aos gentlemen ingleses.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Hoje canto esta música. Por nada, apenas porque sim...

Eu podia chamar-te pátria minha
dar-te o mais lindo nome português
podia dar-te um nome de rainha
que este amor é de Pedro por Inês.

Mas não há forma não há verso não há leito
para este fogo amor para este rio.
Como dizer um coração fora do peito?
Meu amor transbordou. E eu sem navio.

Gostar de ti é um poema que não digo
que não há taça amor para este vinho
não há guitarra nem cantar de amigo
não há flor não há flor de verde pinho.

Não há barco nem trigo não há trevo
não há palavras para dizer esta canção.
Gostar de ti é um poema que não escrevo.
Que há um rio sem leito. E eu sem coração.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

O primeiro dia

Cá dentro...


... e lá fora.


Obrigado!

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Zeca Baleiro - Telegrama

Um dos grandes músicos brasileiros.

(e o tuga de bigode e com um lápis na orelha, pois claro!)

domingo, 9 de novembro de 2008

Quem é o Bob?

Ontem fiz uma coisa que já não fazia há muito tempo, acordar cedo para ver desenhos animados. Se bem que este desenho animado decidiu deixar ontem a televisão e deslocar-se ao Pavilhão Atlântico. Falo de Bob, o Construtor - o boneco que, se estivesse desempregado, chamar-se-ia apenas... Bob.

Em missão radiofónica, lá fui eu ao Parque das Nações recolher informações sobre o único construtor civil que conseguiu encher o Pavilhão Atlântico (se não contarmos com o Tony Carreira que, para além de se vestir como um pedreiro, ainda manda umas marteladas na música portuguesa que até dói...).

As crianças são, obviamente, o público-alvo desta animação, porém eu acho que ainda há muitos adultos a precisar de umas aulinhas no que toca a construção civil.

O tema do espectáculo - a reciclagem - serve de mote a uma história em que vários amigos se juntam para construir uma fábrica direccionada para este mesmo efeito. É verdade, o Bob o Construtor, ao contrário da maioria dos nossos construtores civis, trabalha ao fim-de-semana. O espectáculo tem a duração de duas horas e, ontem e hoje no Pavilhão Atlântico, as sessões dividiram-se pelas 10h30, 14h30 e 18h30. Após cada sessão, o Bob vai beber uma cerveja e comer uma sandocha de presunto. Segunda-feira, o nosso amigo vai até Gondomar (fazer um favorzinho ao Valentim, dizem as más línguas).

Muitas luzes, muitos efeitos especiais e... muita construção, coisa a que já estamos habituados em Portugal.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Epa...

Hoje tinha uma piada sobre a Maddie, mas perdi-a...

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

A Manuela Ferreira Leite (pelo menos da noite de ontem) do Jazz

Ontem fui à Aula Magna assistir ao concerto de Ornette Coleman, um dos grandes inovadores do movimento do Free-jazz dos anos 50 e 60.

A sala estava bem composta e o público entusiasmado com as divagações musicais da banda (um contrabaixo, um baixo/guitarra eléctrico/a e uma bateria compuseram o trio que acompanhou Coleman). O concerto decorreu com a "normalidade" que uma performance de jazz permite, com elevadas doses de improviso e criatividade que me fizeram bater com o pé na cadeira da frente durante todo o concerto.

O jazz é um estilo de música que, como todos os outros, colhe elogios e críticas. Entendo que o Free-jazz (movimento criado por Coleman, após o lancamento do seu álbum "Free Jazz") esteja mais vulnerável a apreciações negativas, tal é o seu afastamento dos cânones da música "tradicional".

Para terminar, gostaria de vos deixar uma frase que Coleman proferiu durante o concerto e me marcou profundamente: "..."

O Parlamento Madeirense Liberta

O plenário do parlamento madeirense foi suspenso esta quarta-feira depois do deputado do Partido da Nova Democracia José Manuel Coelho ter apresentado uma bandeira nazi e chamado fascistas aos parlamentares do PSD/Madeira.

Diário de Fictícias:
Bom dia senhor Jardim!
Herr Jardim: Sieg Heil!
DF: Um deputado do PND chamou-o de fascista. Como comenta?
Herr Jardim: Fascista, eu?! Quem foi o filho da p*ta do porco judeu que me chamou isso?
DF: Bem, o seu nome é José Manuel Coelho.
Herr Jardim: Ah, o 387-928 do Barracão F. Sacana... Desde que lhe arranquei o cabelo para fazer atacadores nunca mais foi o mesmo...
DF: O quê?! Mas... mas... isso não é nada democrático! Isso é macabro e...
(ouve-se um tiro e um grito mudo)
Herr Jardim: Ora bem, vamos cá ver isto.... (pegando numa folha de papel) Tanto dinheiro? Tenho de mudar para o gás natural....

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Yes

Sim, ele conseguiu. E ainda bem. No entanto, ainda nada mudou na minha vida. Continuei a acordar de manhã, fui à casa-de-banho, vesti-me, tomei o pequeno-almoço, vim para o trabalho. Tudo normal, sem qualquer mudança... Eu bem sabia que isto não ia mudar assim tanto... Sacana! De qualquer das formas, pode ser que amanhã o dia comece às 20h da noite, a Teresa Guilherme esteja bonita e o Pinto da Costa seja beatificado. Isso sim, seria uma mudança! Se bem que, em certos casos, preferia que tal não acontecesse...

Ok, após esta introdução chata e com muito pouca informação útil, decidi aceitar o pedido do novo inquilino da Casa Branca em publicar o seu discurso de vitória no meu blogue:

Hello Chicago!

If there is anyone out there who still doubts that America is a place where all things are possible, who still wonders if the dream of our founders is alive in our time, who still questions the power of our democracy, tonight is your answer.

It's the answer told by lines that stretched around schools and churches in numbers this nation has never seen, by people who waited three hours and four hours, many for the first time in their lives, because they believed that this time must be different, that their voices could be that difference.

It's the answer spoken by young and old, rich and poor, Democrat and Republican, black, white, Hispanic, Asian, Native American, gay, straight, disabled and not disabled. Americans who sent a message to the world that we have never been just a collection of individuals or a collection of red states and blue states.

We are, and always will be, the United States of America.

It's the answer that led those who've been told for so long by so many to be cynical and fearful and doubtful about what we can achieve to put their hands on the arc of history and bend it once more toward the hope of a better day.

It's been a long time coming, but tonight, because of what we did on this date in this election at this defining moment change has come to America.

A little bit earlier this evening, I received an extraordinarily gracious call from Sen. McCain.

Sen. McCain fought long and hard in this campaign. And he's fought even longer and harder for the country that he loves. He has endured sacrifices for America that most of us cannot begin to imagine. We are better off for the service rendered by this brave and selfless leader.

I congratulate him; I congratulate Gov. Palin for all that they've achieved. And I look forward to working with them to renew this nation's promise in the months ahead.

I want to thank my partner in this journey, a man who campaigned from his heart, and spoke for the men and women he grew up with on the streets of Scranton and rode with on the train home to Delaware, the vice president-elect of the United States, Joe Biden.

And I would not be standing here tonight without the unyielding support of my best friend for the last 16 years the rock of our family, the love of my life, the nation's next first lady Michelle Obama.

Sasha and Malia I love you both more than you can imagine. And you have earned the new puppy that's coming with us to the new White House.

And while she's no longer with us, I know my grandmother's watching, along with the family that made me who I am. I miss them tonight. I know that my debt to them is beyond measure.

To my sister Maya, my sister Alma, all my other brothers and sisters, thank you so much for all the support that you've given me. I am grateful to them.

(Discurso completo aqui)

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Can he?

Hoje o eleitorado norte-americano irá escolher um novo presidente, Barack Obama ou John McCain. Ainda não escrevi nada no blogue sobre estas eleições e, sinceramente, pouco tenho a dizer que já não tenha sido dito. No entanto, gostaria de seleccionar alguns pontos que me parecem importantes:

- Esta não será uma decisão fácil porque, qualquer que seja o escolhido, não terá nas suas mãos apenas o destino dos Estados Unidos mas, “também”, o destino do mundo.

- Obama parece ser o candidato em melhor posição para ocupar a Casa Branca. Pelo menos, é o que a Comunicação Social transmite.

- Os candidatos têm comprado “espaço” nos meios de comunicação social para poderem divulgar os seus projectos políticos. Haver a possibilidade de comprar “prime times” para fazer propaganda política é uma falha num sistema democrático (o mais consolidado do mundo), no entanto, não é o principal problema. Este acaba por ser o facto de o dinheiro investido em ambas as campanhas ser fornecido por empresas privadas. E, qualquer que seja o vencedor, sê-lo-á, em parte, graças aos dólares da Microsoft ou da Hensley & Company, entre muitas outras. Como “não há almoços grátis”, mais cedo ou mais tarde o Mister President terá de retribuir, com juros, o apoio que lhe foi dado. O que, numa democracia, não é nada aconselhável.

- Se a Europa pudesse votar, aliás, se o Mundo pudesse votar, Obama venceria com larga vantagem. No entanto, os norte-americanos têm um self muito próprio o que, sinceramente, me provoca algum receio.

- Os norte-americanos pretos ainda não são considerados totalmente norte-americanos, mas sim afro-americanos. Esta designação pode ser fatal na altura de ir às urnas, levando os norte-americanos a “xenofobizar” o voto, escolhendo um “não-preto”. Infelizmente, a realidade é esta e o racismo ainda está muito presente nos Estados Unidos. Por outro lado, não entendo tanto alarido de um preto ser Presidente dos Estados Unidos. Se for pela cor da pele, os norte-americanos puros tinham a pele vermelha, e não branca.

- Quanto a John McCain irá carregar, quer queira quer não, o legado de George W. Bush, o que seguramente não será fonte de grande admiração. Lutou no Vietname, foi herói de guerra e tem uma vasta experiência política. Porém, o seu aspecto velho, acabado e prestes a ter um AVC não recebe grande simpatia por parte do “eleitorado” europeu.


- Nós europeus olhamos para Barack Obama como uma espécie de salvador que, finalmente, nos libertará do cheiro a pólvora. É inteligente, bonito, simpático, tem carisma, postura e incorpora literalmente um espírito de mudança. As questões do Iraque, Afeganistão e o conflito Israelo-árabe são as que mais nos preocupam. Nestes casos específicos, Obama recebe o nosso apoio. Porém, a nível interno tudo se torna diferente. Não porque passemos o voto para McCain, mas sim porque não sabemos muito bem o que cada um defende. Melhor dizendo, sabemos, mas não estamos dentro do país para saber quais as suas verdadeiras necessidades.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Hoje

Chorar é rir e rir é chorar como rir é chorar a rir e rir chorar por chorar...

sábado, 1 de novembro de 2008

Casamentos bi

Japonês lança petição para casar com personagem de banda desenhada
Um japonês que diz sentir-se mais à vontade com o mundo bi-dimensional lançou uma petição na qual propõe o casamento entre humanos e personagens de banda desenhada. Taichi Takashita lançou a petição online pedindo um milhão de assinaturas para apresentar ao governo. Surpreendentemente, em apenas uma semana, já tinha obtido 1.000 assinaturas.

Depois dos casamentos entre homossexuais, há a possibilidade de haver casamento entre humanos e bonecos. Os humanos querem. E os bonecos? O Diário de Fictícias chegou à conversa com o Homem-Aranha, o Tio Patinhas e a Mónica que expuseram os seus pontos de vista em relação a este tema. Estão disponíveis para casar? Com quem? Será uma relação animada? Onde se vão casar: numa igreja ou numa tira do Destak?

Uma entrevista que poderá ler no próximo dia xis (ou ypsilon, dependendo da disponibilidade dos bonecos)

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

A Guerra de 1908

"Cheguei à guerra eram sete horas da manhã... Estava a guerra ainda fechada."

Hoje tive o privilégio de estar a menos de dois metros deste Senhor! Obrigado...

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

De livre vontade!

Hoje é o Dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama. Porém, ainda muitas mulheres se descuidam na prevenção da doença.

Eu, lutador pela saúde da humanidade (especialmente da parte feminina), disponibilizo-me a proceder ao processo de palpação.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Entrevista a Pedro Tochas

“Andar pelo mundo de mochila às costas é romântico”
Pedro Tochas é um comediante bastante versátil. Desde o stand-up comedy até ao teatro de rua, Tochas destaca-se pela sua capacidade de improviso. O Quinze chegou à conversa com o artista que gosta de ser palhaço. Tem actuação marcada no Teatro José Lúcio da Silva, no próximo dia 6 de Novembro (quinta-feira). Ao palco levará o espectáculo “Já tenho idade para ter juízo”.

Como nasceu o gosto pela comédia?
É difícil apontar um dia em específico, mas as coisas tornaram-se mais claras para mim quando tinha dezanove anos. Estava numa festa de Natal e havia palhaços e música. Para alegrar ainda mais o ambiente, decidi fazer algumas brincadeiras e uns malabarismos. As pessoas gostaram e eu não mais parei. Fiz festas para os amigos, para as crianças, nas feiras e, com o tempo, fui adquirindo a minha independência nesta área. Mais tarde, fui estudar teatro para Inglaterra, deixando para trás o curso de Engenharia Química que estava a tirar em Coimbra.

Como é actuar na rua?
É bastante diferente de actuar num teatro ou numa sala, por exemplo. A interacção com o público é muito maior e, no meu caso, sinto-me muito mais “artista” desta forma. Eu escolho uma rua, de preferência com algum movimento, e faço o meu papel. Passear pelo mundo de mochila às costas é espectacular e romântico.

Por onde já andaste?
Já actuei em dezassete países, incluindo Austrália, Nova Zelândia, Singapura, Estados Unidos, Escócia, Inglaterra e Suécia. Porém, o meu sonho é actuar no Japão.

Qual foi o espectáculo mais marcante?
Foi, sem dúvida, na Escócia. Todos os anos, em Edimburgo, se realiza o maior (e, na minha opinião, o melhor) espectáculo do mundo de artistas de rua. Actualmente, são 800 os espectáculos diários. Na primeira vez, estava a fazer interrail e, chegado à estação de Edimburgo, deparei-me com um grandioso espectáculo. “Um dia hei-de actuar aqui”, pensei. Passados alguns anos, aconteceu.

De todos os locais onde actuaste, terás certamente bastantes histórias para contar…
Sim, lembro-me de, na Nova Zelândia, quando terminei o meu espectáculo, um miúdo de cinco anos ter vindo ter comigo: “You are a cool clown!”. Fiquei sem palavras. Foi um dos maiores elogios que recebi, ainda para mais vindo de uma criança.

Ouves muitas críticas?
Eu trabalho para o público. Se as pessoas não gostam, não trabalho para ninguém. Reconheço que o meu trabalho suscita amor/ódio, mas eu gosto disso porque odeio indiferença. Admito que as pessoas possam não gostar do espectáculo, mas podem ter a certeza de que eu dou sempre o meu melhor.

Normalmente tem-se a ideia de que os comediantes são pessoas muito tristes… Isso é verdade?
Comigo é claramente mentira. Sou tão alegre no palco como o sou fora dele. A diferença é que o ritmo que coloco em cada actuação é alucinante. E, como é óbvio, não transporto essa energia para o meu dia-a-dia. Acho que, se o fizesse, não aguentaria muito tempo.

Como é o teu processo de criação?
Como criador, dá-me gozo fazer coisas diferentes, mas é um processo bastante doloroso. Preciso de ter um deadline, para sentir pressão.

O que te faz rir?
A vida, as pequenas coisas… Tento ver o mundo de um ponto de vista positivo. Hoje ainda nada me fez rir. Mas ajudei um senhor a comprar o bilhete do metro. Ele ficou contente e eu também. Não é só o rir, mas também o sorrir.

E o que te faz chorar?
Não há nada que me faça chorar, mas fico triste com muitas situações… O momento que o nosso país atravessa não é de muitas alegrias, por exemplo. Quando alguém me questiona sobre Portugal eu respondo que é um bom sítio se não tiveres problemas de saúde ou problemas legais. É necessário que o sistema legal funcione com maior rapidez. A justiça em Portugal é muito lenta.
Gostavas de fazer papéis dramáticos?
Penso que seria uma experiência curiosa. Se bem que optaria por fazer papéis mais ligeiros, em séries ou cinema. Já o teatro não é algo que esteja dentro dos meus planos.

Já tens um longo percurso profissional, mas tornaste-te “conhecido do público” com os anúncios da Frize…
Sim, foi um anúncio marcante para mim. Mas há pessoas que avaliam o meu trabalho apenas por essa “gota de água” no mar que é todas as outras coisas que faço.

No “Programa da Maria”, tinhas o teu quarto a preto e branco. Terminado o programa, gradualmente deixaste a televisão. Foste à procura de cor?
Não (risos), eu sempre tive cor. Mas encaro a televisão como um meio para passar o meu trabalho e não como um fim.

Quem são os teus ídolos?
Em Portugal, sem dúvida, o Herman José e o Raul Solnado. A nível internacional, venero Charlie Chaplin, Daniel Keaton e Dave Gorman, entre muitos outros.

No próximo dia 6 de Novembro vais actuar no Teatro José Lúcio da Silva (TJLS), levando a palco o espectáculo “Já tenho idade para ter juízo”. Esse título reflecte mesmo o que sentes?
Muita gente me faz essa pergunta, mas na verdade não sei responder. Para quem anda pelo mundo inteiro de mochila às costas a pedir esmola… (risos). Em relação ao espectáculo, espero que as pessoas vão de espírito aberto e ouçam a minha mensagem. Este é o espectáculo mais positivo que já escrevi em toda a minha vida e vou entregar-me de corpo e alma. Só espero levar mais gente ao TJLS do que o futebol leva ao estádio.

Sendo de Avelar (Ansião), sentes algo de especial ao actuares em Leiria?
Sim, será uma actuação perto de casa. Gosto das pessoas de Leiria e tenho uma boa relação com o Académico, que já me contratou para alguns eventos.

Quem é o Pedro Tochas?
É um artista de rua comediante performer, por esta ordem. Artista de rua sempre em primeiro lugar, uma vez que actuar na rua é a melhor sensação do mundo. Adoro o que faço e tenciono fazer isto até aguentar. Trabalhando, não trabalho. O meu hobbie e a minha profissão são a mesma coisa.

Que conselho podes dar aos jovens que te vêem como ídolo?
Se descobrirem alguma coisa que vos dá prazer e satisfação pessoal, agarrem-na e não deixem que ninguém nem nada se meta à frente. Acreditem em vocês! Falo em qualquer área. Se gostam do processo e do fim, óptimo. Se optam apenas pelo fim, talvez não valha a pena.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Ontem

Hoje bebi leite quente. Meti as mãos à volta da chávena, aqueci os dedos, senti o vapor a tocar-me o nariz e queimei a ponta da língua. Horas antes, havia puxado o cobertor, abraçado a minha almofada e levado os joelhos ao peito. Sinto o abanar das árvores, as folhas a baterem na janela, o vento a soprar nos ouvidos. Saio à rua. Vôo no mesmo sítio, semi-cerro os olhos para andar, sinto o cheiro a terra molhada.

Já tinha saudades de mim.

Imagem: Nelson Afonso

Remembering InterRail


Algures num dos muitos carris do velho continente!

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Dos gardenias

Em 1996, o músico Ry Cooder fez uma das viagens mais úteis da humanidade. Foi a Cuba e, juntamente com Wim Wenders, deu a conhecer ao mundo "Buena Vista Social Club".

Obrigado!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Pensemos senhor...

Bater palmas quando o avião aterra é coisa tuga. E eu contra mim falo. Tenho de admitir que, quando vou no meu carro e chego ao destino, também bato palmas, levanto-me, grito “bis”e ainda atiro flores e ursinhos de peluche para cima do tablier. Nos aviões, as pessoas fazem isso porque o piloto conseguiu aterrar bem. No entanto, a mentalidade deveria ser outra. Se o piloto tivesse feito um peão ou qualquer outra acrobacia aí é que se deveria bater palmas. Esta atitude portuguesa só mostra que nós somos um povo que gosta de assistir sentadinho ao espectáculo e, quando terminado, mandar o seu bitaite. Somos uma claque de futebol camuflada por minis e tremoços, cachecóis do Benfica e palitos entre os dentes.

Então? Já acabei! Não estou a ouvir palmas.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

A minha noite não usa baton - VI

Olho para o lado e vejo cinco criaturas verdes a saltarem no meu sofá. Não têm mais de 60 centímetros, as orelhas largas que estreitam no topo e dois pés achatados em forma de raquete de ténis. No nariz tinham um funil e em cada orelha um crocodilo bebé pendurado. Ao ombro, cada um tinha um papagaio que, por sua vez, tinha ao ombro um ser humano (mas muito muito pequenino). Olharam-me nos olhos, avançaram com os dedos compridos e pegajosos sobre o meu queixo e franziram o nariz. Naaaaa… não é este!, disse o crocodilo que estava pendurado na orelha esquerda daquele que parecia ser o chefe. Pelo menos era o que dizia o autocolante que tinha colado na testa, “Eu sou o chefe”. De se ter chegado tão perto na busca de informação, senti o hálito do crocodilo… Cheirava a sardinha assada e pernas de ser humano. Não me perguntem qual é o cheiro das pernas de um ser humano, mas depois de ter visto um vestígio de pé entre os dentes do crocodilo, o meu nariz criou todos os cheiros possíveis.

Imagem: Hugo Castro

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Alguém me ouviu

Chorei,
Mas não sei se alguém me ouviu
E não sei se quem me viu
Sabe a dor que em mim carrego e a angústia que se esconde
Vou ser forte e vou-me erguer
Ter coragem de querer
não ceder nem desistir eu prometo
AC Firmino

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Goodbye

E pronto, senhor McCain, até uma próxima!

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Finally!!!

“Death Magnetic” é um moderno regresso ao passado. Ouvir Metallica há muito que se tornou um culto, e cds como este ajudam a alimentá-lo. Não falo apenas da genialidade inata dos membros, mas também da fidelidade ao mundo musical que souberam criar. E este seu espaço foi ganho muito cedo, na década de 80, com álbuns tão geniais como “Kill ‘em All”, “Ride the Lightning” ou “Master of Puppets”.

O mais recente trabalho da banda californiana é marcado como sendo o primeiro com Rick Rubin aos comandos da produção. O título do álbum é uma homenagem “a todas as estrelas de rock que já morreram”, como explica James Hetfield. O sucessor de “St. Anger” cumpre a promessa de um retomar da antiga linha musical que tão bem caracterizou a banda. Os solos esquizofrénicos e empolgantes de Kirk, as descargas enérgicas de Lars, os riffs coesos e melódicos de Hetfield e a segurança e virtuosidade de Trujillo fazem lembrar bons velhos tempos.

É um disco que consegue unir o “poder eléctrico” dos primeiros álbuns e o som potente da bateria de “St. Anger”. Quanto às músicas, certamente irão fazer parte do “Imaginário Metallica”. “The Unforgiven III”, “The Day That Never Comes” ou “The Judas Kiss” são apenas alguns exemplos.

O batimento cardíaco que se ouve no início da primeira música serve para nos avisar que os Metallica estão vivos, de saúde e prontos para destruir uns palcos e rebentar umas cordas. É um regresso em grande de uma banda que basta tocar uma nota para provocar pele de galinha. Ou então nódoas negras, depende. E ainda bem!

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

domingo, 12 de outubro de 2008

Gasolina Gourmet

"Olhe desculpe... Era só para dizer que gostámos muito do seu sketch." Parabéns Susana e Daniel!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

"Em Chamas"

Peço desculpa pela falta de posts dos últimos dias, mas o trabalho tem-me consumido como o Fernando Mendes consome almoços. No entanto, num dos pequeníssimos intervalos que tenho para a chamada "vida própria", decidi ir ao teatro. E que tempo tão bem gasto. Sinceramente!

Teatro da Comuna

Depois do enorme sucesso em Londres no Bush Theatre e no The New Ambassadors Theatre (West End), "Em Chamas" chegou a Portugal pelo Teatroesfera.

Trata-se de uma peça 'peça brilhante e inventiva' da dramaturga inglesa Charlotte Jones, 'um trabalho original que mistura o passado e o presente, o humor e a dor, a compaixão e a ironia; uma escrita forte, poética e letalmente divertida'.

Para ver de 8 a 26 de Outubro de 2008, no Teatro da Comuna em Lisboa. Em Chamas de Charlotte Jones - Encenação de Rui Luís Brás

Com: Manoela Amaral, Paula Sousa, Paulo B., Peter Michael, Suzana Farrajota, Teresa Faria.
Horário: 4ª feira a sábado – 21h30 e domingo 16h00.
Preço dos bilhetes: normal 10,00€; com desconto: 7,50€ - 4ª e 5ª feiras: bilhete único a 5,00€

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Afinal tem couro cabeludo!

Hoje o José Mota fez uma exibição de se lhe tirar o chapéu.

(Foi a piada mais parva de que me lembrei)

Obrigado!

Com que voz chorarei meu triste fado?

Para descontrair...

A neutron [neutrão] goes into a bar and asks the bartender, “How much for a beer?” The bartender replies, “For you, no charge.”

domingo, 5 de outubro de 2008

A coisa pública

Lamento, mas tendo em conta a raiz da palavra "República", é esta senhora que me vem logo à ideia.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Não houve tempo para mais

Dinis Machado
(21-03-1930 - 03-10-2008)

«“Contavam-se histórias do Ângelo”, disse Austin, acendendo um cigarro, ”que ele era, segundo a expressão que Molero diz ter recolhido em fonte idónea, danado para a porrada. Que uma vez, isto contava o Zeferino Torrão de Alicante, e o Chinês que vendia gravatas confirmava com a cabeça, o Ângelo ia a passar no Largo do Navegante, três ciganos daqueles que vendiam fazenda para fato meteram-se com ele, bem, dizia o Zeferino, não queiram saber, um dos ciganos sacou de uma navalha de ponta e mola, o Ângelo enfiou-lhe a navalha no buraquinho que as pessoas têm ao fundo das costas, e isto com uma rapidez que já está, ao segundo cigano torceu-lhe o braço até dar estalido, e o Padeirinha que o vê às vezes, diz que ele ficou sempre com o braço ao contrário, dava um bom policia sinaleiro, ao terceiro cigano deu-lhe uma tal cabeçada na testa que ele ficou toda a vida com os olhos tortos, há-de estar a olhar para a ponta do nariz até ir para a cova.

Mister DeLuxe sorria. “sempre houve o culto da desordem um pouco por toda a parte”, disse ele, “isso já vem do fim dos tempos”. “o Zeferino”, continuou Austin, “dizia que tudo se tinha passado com uma rapidez que já está, nem tenho bem a certeza de como tudo aconteceu, dizia ele aos mirones que pediam pormenores, ora deixem cá ver, deixem cá puxar pelo bestunto, é pena não se poder passar tudo outra vez ao ralenti, bem, um dos ciganos foi pelo ar, e o outro foi logo a seguir antes do primeiro ter caído, quase chocaram os dois a cinco metros de altura, tenho a impressão que eles foram outra vez atirados ao ar antes de chegarem ao chão, não tenho bem a certeza, lembro-me bem é da cabeçada em salto de prancha, uma coisa linda, eu estava a olhar e tudo acabou de repente com uma rapidez que já está, fiquei só com uma ideia, não houve tempo para mais.»
O que diz Molero
Dennis McShade

É isto

Para os benfiquistas, é um dos melhores jogadores da equipa. Para os do Sporting, é um trivela de pé esquerdo que é para aprenderem. Para os do FC Porto, é um ex-jogador do Arsenal.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Os Beatles são de Liverpool, mas pareceu-me ver os quatro hoje em Londres

O FC Porto perdeu hoje frente ao Arsenal por 4-0. Eu repito. Quatro bolas a zero. É isso mesmo.

O jogo passou na estação pública e é uma bofetada de luva branca para aqueles que diziam que a RTP não conseguia substituir os Gato Fedorento. Humor do bom… A transmissão do jogo fez com que o Telejornal tivesse início mais cedo e continuasse depois da partida. Aliás, os mais distraídos acredito que nem notaram. Depois da crise dos EUA, a crise do FC Porto até encaixou bem.

O futebol substituiu o concurso “Jogo Duplo”, nome baseado na vida de Pinto da Costa. Neste jogo, nunca ninguém diz a verdade, ou melhor, por defeito, todos esperam o engano da parte dos outros concorrentes. Mesmo quando um diz a verdade é com a intenção de enganar, esperando que os outros tomem a verdade por um engano. Dizer a verdade só prejudica cada um dos concorrentes. Todos mentem e fazem bluff. Neste campo, Jesualdo Ferreira esteve perfeito, dizendo antes do jogo que tinha hipóteses de vencer. Parabéns professor! Resta agora ao Porto carregar no botão para desistir e conhecer a Ana Galvão. Sortudos!

Um dos melhores em campo foi Adebayor, oriundo do Togo, um dos países mais pobres do mundo. Se, por um lado, Adebayor alegrou as bancadas, por outro, desrespeitou os seus compatriotas porque encheu a barriga de golos. E sabemos que no Togo não se costuma encher a barriga… Uma palavra de apreço para o FC Porto, que mostrou ser uma equipa muito solidária para com os mais desfavorecidos.

Agora falando a sério, e em jeito de conclusão, posso dizer que o FC Porto teve a sorte do jogo. Para não ter levado mais uns quatro ou cinco é preciso felicidade.

Imagem: DR

Está frescote, é melhor fazer uma fogueira

Platão e um ornitorrinco entram num bar. O empregado do bar olha para o filósofo com uma expressão irónica e Platão diz: “Que posso dizer? Ele parecia melhor na gruta.”