sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Pensemos senhor...

Bater palmas quando o avião aterra é coisa tuga. E eu contra mim falo. Tenho de admitir que, quando vou no meu carro e chego ao destino, também bato palmas, levanto-me, grito “bis”e ainda atiro flores e ursinhos de peluche para cima do tablier. Nos aviões, as pessoas fazem isso porque o piloto conseguiu aterrar bem. No entanto, a mentalidade deveria ser outra. Se o piloto tivesse feito um peão ou qualquer outra acrobacia aí é que se deveria bater palmas. Esta atitude portuguesa só mostra que nós somos um povo que gosta de assistir sentadinho ao espectáculo e, quando terminado, mandar o seu bitaite. Somos uma claque de futebol camuflada por minis e tremoços, cachecóis do Benfica e palitos entre os dentes.

Então? Já acabei! Não estou a ouvir palmas.

4 comentários:

Pedro Pinto disse...

Adorei esse ponto de vista.

[palmas]

Abraço

RR disse...

Já eu devo dizer que não gostei nada, André. Foi uma analogia terrível essa que fizeste. Merecias uma dentada do crocodilo da orelha esquerda na orelha direita.

E já agora: de todas as vezes que viajei em companhias estrangeiras, com gente estrangeira e que não torce pelo Benfica, houve palmas.

André Pereira disse...

Lol

Obrigado a ambos pelos comentários. Concordem ou não com o meu ponto de vista, já é uma vitória, para mim, visitarem o meu blog e comentar! lol

Louvados sejam!

Beijos e abraços

RR disse...

:)

E tens toda a razão nisso!