domingo, 11 de maio de 2008

A Deus

Hoje as emoções misturam-se. Lágrimas andam de mãos dadas com os sorrisos rasgados de orelha a orelha e a dor deixa marcas de baton nas faces rosadas da alegria. Cá fora, a chuva escolhe outro sítio para cair. Pedaços de água e sal escorrem pela epiderme de milhões de rostos agradecidos. O pouco espaço existente no chão é, subitamente, inundado por labaredas molhadas. Nem nuvens, nem estrelas, nem mesmo o sol ou a lua se dignam a aparecer. É uma despedida alegre, um regresso triste, um turbilhão de sustenidos e bemóis numa pauta de Chopin.

O mundo veste-se de vermelho. Um vermelho-sangue derramado pela multidão. Essa que um dia viu nascer um menino. Não era mais que isso. Ainda hoje o é. Basta olhar nos seus olhos para perceber que ainda brinca com uma bola de trapos num campo sem medida, sem linhas ou barreiras. Um simples rectângulo universal pisado por um génio com asas nos pés. E toda esta magia digna de um Houdini sem cartola terminou hoje, ao som das batidas nervosamente aceleradas de um coração ecuménico.

Hoje, sem um consentido aviso prévio, o Maestro desampara milhões de corações num ritmo andante. Obrigado por todas as alegrias que me deste, por todas as tristezas que partilhámos, por tudo! De todos os jogadores que tive oportunidade de ver jogar, Rui Costa foi o melhor de sempre. Não me despeço de um génio alado porque a própria palavra “adeus” transporta a sua identidade.

3 comentários:

Pedro_SCP disse...

Obrigado Rui Costa _o_

k[at]chume disse...

Subscrevo inteiramente. Foi o jogador - mundial - que mais admirei: pela mestria dentro de campo e o exemplo fora dele!

Faustino disse...

Palavras para quê? O único jogador que sempre idolatrei. Um profissonal e uma pessoa fora-de-série.
Até sempre, Maestro. És o "meu" número 10.